Prefeitura Municipal

Piracaia-SP

Última Atualização do Site:
25/04/2017 10:28:48





Histórico / Cultura

Origens do Município

Em 1817, destacava-se no município de Atibaia um bairro importante, quer pela sua população, quer pela fertilidade de suas terras e que se denominava Cachoeira. O município de Atibaia possuía um território extenso, além dos muitos bairros.No bairro Cachoeira residiam, além de outras pessoas, d. Leonor de Oliveira Franco, já casada com o capitão Manoel Manso de Almeida; seu filho tenente José Antonio; seu neto, capitão Antonio José de Moraes; seu sobrinho João Corrêa de Almeida e seu escravo Domingos José de Oliveira.Sendo proprietária de um terreno e com o desejo de erigir uma capela, doou então um pedaço do terreno onde era uma montanha coberta de vegetação, também havia plantação de palmito, roça de milho. Mandou colher a plantação e seu filho, o tenente José Antonio Luiz Ferreira, também conhecido como José Antonio de Oliveira, com auxílio de mais parentes e do escravo de d. Leonor, construiu uma pequena capela, feita de pau-a -pique coberta de sapés, sob a invocação de Santo Antonio, santo de devoção de d. Leonor e Cachoeira em homenagem ao rio Cachoeira, ficando a Capela com o nome de Santo Antonio da Cachoeira.. ( A Capelinha foi construída onde hoje é a Igreja da Matriz ). A inauguração foi marcada para o dia 13 de junho, dia do padroeiro. Mas o padre que deveria vir de Nazaré Paulista chegou somente no dia 16 de junho de 1817. Assim começou a formar os primeiros povoadores. As primeiras edificações do novo povoado são feitas pelos seguintes proprietários: capitão João Corrêa de Almeida, capitão Joaquim José da Silva Barroso, capitão Antonio José de Moraes, Francisco Nogueira ( irmão de Ignácio Nogueira ), o português João Batista de Oliveira, d. Maria Escholástica de Ornellas ( viuva de Joaquim Frós ), Antonio de Pádua Ferreira ( natural de Campanha ), Thereza Frós, Pedro Rodrigues de Oliveira ( Nhonhô Preto ) e José Lopes de Moraes Teixeira. As moradias eram ao redor da Capelinha.Logo vieram mais famílias, o comércio.D. Leonor, a fundadora faleceu em 2 de junho de 1835, com 84 anos. Por disposição feita em seu testamento, d. Leonor foi sepultada na Igreja de Nazaré Paulista.

Datas Históricas

1817 - 16 de junho - Fundação do Povoado.
1836 - 5 de março - Elevada à categoria de freguesia com o nome de Santo Antonio da Cachoeira.
1885 - 21 de março - Elevada à categoria de Vila ainda com o nome de Santo Antonio da Cachoeira.
1906 - 20 de agosto - Passou a chamar-se Piracaia, pela Lei nº 997.

Origem do Nome- Piracaia - significa em tupi PEIXE QUEIMADO , PIRA= PEIXE, kaia = QUEIMADO.


Cultura
Os primeiros povos de Piracaia muito valorizavam nossas manifestações culturais, não deixando de realizar grandes festas.
Na época da escravidão , as escravas dançavam sem parar para alegrar e manter os costumes de um povo. Já existiam grupos de congadas, cavalhada, touradas, leilões de prendas. Logo surgiu banda de música, violas, caiapós e mais tarde quadrilhas francesas e o carnaval. Também bonecões infláveis e os fantoches que animavam a população. Ainda hoje algumas tradições são mantidas.

Reza de São Gonçalo- São Gonçalo, santo português, considerado o padroeiro dos violeiros. A dança de São Gonçalo é um dos pilares da nossa cultura caipira. A dança é sempre para pagar uma promessa e consiste em seis voltas, sendo as cinco primeiras iguais; a 6ª e última volta, dá-se o nome de Caruru, que também pode ser chamado de Canjuru ou Cururu, dependendo da região. Na 6ª volta, agradecem ao povo, aos festeiros e aos colaboradores da festa. Em Piracaia há vários grupos de São Gonçalo, mas acredita-se que o grupo do já falecido mestre Antonio Teles
seja o mais antigo, com cerca de 159 anos. Cada grupo tem um mestre e cada mestre compõe letras, músicas e ritmos. O Mestre toca viola e canta e o Mestre dos Mestres é o chefe do
grupo.

Catira- é uma dança tipicamente brasileira, de origem indígena, composta a princípio unicamente de homens. Desde o período colonial faz-se a menção ao catira ou cateretê que segundo consta, a dança foi incorporada nas festa de São Gonçalo, Santa Cruz, Espirito Santo, São João e N. S. da Conceição. A dança consiste num ritmo de bate-pés e palmeado, acompanhados de modas de viola, tratando de assuntos
variados. O grupo atual de Catira de Piracaia formou-se em agosto de 2003, mas a Catira já era formada por bisavós e avós de Raphael e Dorinha, que hoje mantêm a tradição. A Catira em Piracaia é composta por cinco pares ou mais ao som de modas de viola. No grupo tem homens , mulheres e crianças.

Congada- Congadas e congos são bailados dramáticos em que os figurantes representam, entre cantos e danças, a coroação de um rei do Congo, promovendo cortejos e bailados guerreiros.
São devotos de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário. Conforme pesquisas do sr. Antonio Ferreira de Almeida, em Piracaia a congada existe desde 1875 e os grupos que a sustentavam eram escravos. Atualmente em Piracaia há a Congada Branca Marinheiro, em homenagem a Nossa Senhora Aparecida, grupo que tem presidente, rainha e capitão; e a Congada Verde dos Periquitos, criada em homenagem a São
Benedito e Nossa Senhora do Rosário.

Caiapó-Caiapó é um folgado de imitação dos índios Caiapós do Sul, que dominavam os sertões, na época dos bandeirantes, na cabeceira do Araguaia e na bacia superior do Rio Paraná. Os primeiros desbravadores começaram a encenar a vida desses índios em São Paulo e outras localidades. Esse bailado já
mencionado em São Paulo, em 1793 e 1794. Em nossa região, principalmente em Piracaia e Joanópolis, a encenação se dá em torno da doença e morte do curumi. Os caiapós chegam alegres e festivos, mas após a doença e morte de macaru, entristecem-se, deitam-se no chão e lamentam o acontecido.
Em seguida, o o pajé faz um ritual mágico, com muitos gestos, palavras e pólvora, que depois de acesa traz a vida o pequeno macuru. Então, todos se levantam e comemoram dançando. O Caiapó de Piracaia, tem referência no folclore desta cidade, desde a década de 1910, consistindo até hoje. Os Caiapós são acompanhados de homens e mulheres, com instrumentos variados e trazem lanças, arcos e flechas.

Projeto Música Nas Montanhas

Banda Sinfônica de Piracaia, banda com instrumentos de sopros e percussão, foi formada em 1998, por dois músicos remanescentes da Corporação Musical Lira de São Benedito, extinta em 1978. Em 2005 a Banda foi toda restruturada e passou a ser mantida pela Prefeitura Municipal.

Orquestra de Viola Caipira Canto nas Montanhas -foi formada em 2005 e é mantida pela Prefeitura
Municipal.

Bonecões em Papel Machê - Em 2005 a Prefeitura Municipal formou um grupo para confeccionar bonecões em papel machê, desde então os bonecões desfilam nos dias de Carnaval, acompanhados de marchinhas carnavalescas.

Festas Tradicionais
Dia 20 de Janeiro -Festa em homenagem a São Sebastião, São Benedito e Nossa Senhora do Rosário
Dia 03 de Fevereiro- Festa em homenagem a São Brás
Dia 13 de Junho - Festa em homenagem ao Padroeiro Santo Antonio da Cachoeira
Dia 16 de junho - Aniversário da Cidade
Agosto- 3º domingo do mês - Festa em homenagem a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Dia 12 de Outubro - Festa em Homenagem a Nossa Senhora Aparecida



Piracaia,
Busca

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba boletins informativos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.